Ignore todo mundo

posted in Artigos

Ignore todo mundo

Acho que uma das coisas mais difíceis no mundo moderno é ignorar o que todo mundo está fazendo e focar no que é verdadeiramente do seu interesse, naquilo que você é apaixonado em fazer.

Estamos nos afogando em um oceano de vlogs, blogs, notícias, pessoas dizendo o que deveríamos fazer, ao invés do que nós gostaríamos de fazer.

Sou uma vítima disso. Comecei a escrever artigos, li muita coisa sobre como escrever, como conseguir mais seguidores, mais tráfego, e como me tornar mais popular. Cometi o erro clássico de buscar o sucesso mediante a opinião dos outros.

Toda pessoa verdadeiramente criativa ou os gênios são um pouco doidos. E uma das coisas que aprendi estudando a vidas de pessoas que mudaram o mundo foi isso – Todos eles foram de certa forma oprimidos pela sociedade de uma maneira ou outra, encheram o peito de ar, e todos disseram “que se exploda o status quo!”.

No mundo criativo de hoje todos estamos buscando encontrar nossa visão, nossa forma única de perceber o mundo. O problema é que estamos olhando para fora de nós mesmos, vemos o que outros fotógrafos estão fazendo, ao invés de desenvolver nossas próprias ideias.

Cultive seus pensamentos

Mais fácil falar do que fazer né?

Sinto que os pensadores mais inovadores precisaram ficar reclusos e se calarem, se desconectarem do mundo exterior por um tempo, para cultivar seus próprios pensamentos.

Por exemplo, Bob Dylan era um músico de sucesso, mas quando ele cansou do que estava fazendo sumiu do mapa por um tempo, cultivou suas novas ideias, e quando voltou tocando sua guitarra, alienou muitos de seus fãs antigos. Mas ignorou o que outros pensavam dele e do seu novo trabalho, e constantemente se forçava a avançar para encontrar sua voz. Como ele disse:

“Aquele que não está ocupado nascendo, está ocupado morrendo”

Acho que é benéfico encontrar inspiração na internet, redes sociais, e outros artistas. Não existe mais ideia original; tudo é uma soma de diversas fontes.

Ao mesmo tempo, o problema é que gastamos tempo demais olhando para o trabalho de outros, ao invés de olhar para nossas próprias aspirações artísticas.

Você tem um gênio interior

Você tem um gênio interior, uma sabedoria, e uma forma única de ver o mundo. Como um fotógrafo você é o mediador da realidade por meio de seus olhos e suas lentes – que contribuição única você tem parar compartilhar com o resto do mundo?

Você não será capaz de mostrar essa visão simplesmente copiando e acompanhando o que os outros têm feito.

Se desligue do mundo

Feche a enchente de informações que vem da internet e das mídias sócias, e tire um tempo para você. A internet é constantemente faminta por informação, e em sua maior parte para te mostrar propaganda e tentar vender os mais diversos produtos.

Até hoje, mesmo amando o fato do Facebook e o Instagram terem dado voz a milhões de fotógrafos e pessoas criativas, eles vendem propaganda. É um negócio afinal de contas, e como dizem, não existe almoço grátis. Como dizem, se o serviço que você usa é grátis, você é o produto.

Não apenas isso, mas frequentemente fico ansioso e frustrado quando passo muito tempo nas redes sociais, porque fico me comparando com outros. Lamento o fato que não tenho tantos seguidores como outro fotógrafo, que não estou ganhando prêmios ou publicando livros maravilhosos.

Mas a única régua que deveria ser usada para se medir, é você mesmo. De verdade, ignore todo mundo – procure satisfação e contentamento com você.

Se você tira fotos que te deixam feliz e orgulhoso, porque se importar com o que outros pensam sobre seu trabalho?  Se você é de fato a pessoa mais importante em sua vida, deveria se importar com sua opinião sobre seu próprio trabalho ou com a opinião de alguém da internet?

Não importa o quão rico, poderoso ou famoso você seja – sempre vai existir alguém “melhor” que você. Se existe uma coisa que aprendi sobre celebridades é que; eles são os seres humanos mais invejosos, inseguros e imprevisíveis que você pode encontrar por ai. São os mais miseráveis – você consegue imaginar uma vida onde os paparazzi te perseguem até quando vai na padaria?

Outro problema é que quanto mais famoso você se torna, maior é a queda.

Por exemplo, ser um fotógrafo da Magnum é provavelmente muito estressante. Se você tira uma foto que não é simplesmente maravilhosa, vai ser criticado negativamente pelos outros. E se você fizer uma imagem extremamente maravilhosa, ninguém vai dizer nada porque é o que todos estão esperando de você.

Ate eu – que admiro o trabalho dos fotógrafos da Magnum fico constantemente desapontado com o trabalho dos melhores. Isso porque tenho uma expectativa irreal do trabalho deles – esqueço que também são seres humanos, como eu e você.

A opinião de quem vale mais?

Vamos fazer um experimento: Digamos que você faz o upload de uma foto que você nem gosta tanto mas ganha mais de 1000 curtidas, é o melhor de todos. Isso traria um sentimento profundo de felicidade?

Agora vamos dizer que você faz uma foto que achou muito legal, ficou orgulhoso dela, faz o upload e ganha apenas 5 curtidas. Isso te faria gostar menos da sua foto? Você acharia que os outros ou que você é um idiota? Ficaria chateado, deprimido ou frustrado?

Essa é a batalha constante que estamos enfrentando, quando colocamos nossa opinião sobre nós mesmos e sobre o nosso trabalho na mão dos outros. Penhoramos nossa liberdade, e nossa capacidade de nos avaliar.

Mas porque escravizar nossa opinião a outros?

Queremos aceitação e queremos nos sentir parte da comunidade. Não queremos parecer idiotas. Queremos nos sentir respeitados, amados e cuidados.

Mas mesmo que você seja o fotógrafo mais popular no mundo, se não estiver satisfeito com suas fotos, você seria verdadeiramente feliz?

Tire fotos por tirar

Você tira fotos só porque deu vontade? Tira fotos que sabe que ninguém além de você vai ver? Tira fotos que nem são tão legais mas que te trazem um tipo de satisfação?

Sinto que isso é a fotografia em sua forma mais pura. Que ainda não está estragada, como se você fosse uma criança pegando uma câmera pela primeira vez.

Acho que é o ideal pelo qual devemos lutar. Fotografar para nos agradar, ignorar a opinião dos outros, e fazer nossa opinião sobre nós mesmos suprema sobre qualquer outra.

Pare um pouco

Pare de fazer upload de fotos. Pare de olhar as redes sociais quando está no ônibus, comendo, esperando na fila e especialmente quando está no banheiro.

Desintoxique-se das redes sociais um pouco – veja como você vai se sentir.

Pessoalmente sou viciado em café; se não tomo café quando acordo, me sinto mal.

Mas de vez em quando, fico alguns dias sem tomar cafeína. Os sintomas são muito chatos, mas quando bebo café novamente o aprecio muito mais.

Redes sociais e a internet não são ruins ou a personificação do mal – mas acho que dar um tempo, fazer um jejum, ajuda a nos limpar. E quando terminamos o jejum, apreciamos muito mais. E não apenas isso, mas você percebe como as redes sociais podem ser toxicas em grande dose (assim como o café é tóxico se você toma demais).

Pare, dê um tempo, aproveite a vida, e capture os momentos que tem significado pra você.

 

Um texto de Erick Kim, tradução livre por André Nascimento – Original: http://erickimphotography.com/blog/2016/02/22/ignore-everybody-else/#more-27386