Cachoeiras em Pirenópolis

posted in Artigos

Cachoeiras em Pirenópolis

 

Uma das primeiras coisas que me impressionou quando comecei a estudar fotografia foi a possibilidade de poder “congelar” a água na foto ou deixar apenas o rastro dela. Como as fotografias em alta velocidade são as mais comuns, fiquei muito tempo sem tentar fazer uma fotografia com o rastro da água.

Surgiu a oportunidade de fotografar um casal em Pirenópolis, uma cidade aqui do interior de Goiás onde existe um forte turismo ecológico e as cachoeiras são uma das principais atracões do local. Fiz as fotos do casal mas aproveitei a oportunidade para fazer minhas primeiras fotos de cachoeira. A primeira coisa que você tem que ter em mente é que esta é uma foto com muita luz. Logo trabalhe com o menor ISO disponível. Normalmente é o ISO 100 mas em alguma câmeras você encontra 50 ou até 25. Como você quer que entre o mínimo de luz possível, já que para conseguir o efeito da água arrastando a velocidade do obturador precisa ser baixa, o próximo passo é fechar o diafragma. O ideal é trabalhar com ele em f.8 que é a abertura que em a maioria das lentes oferece a sua melhor performance, até mesmo as que são super claras, como as f1.2. Como já definimos duas variáveis de forma arbitrária, a velocidade será consequência disso e irá depender da luz da situação.

Uma das dificuldades que senti foi que quando diminui muito a abertura para captar menos luz, precisei diminuir a velocidade, e como a câmera é limitada a 30 segundos nem sempre consegui criar aquela foto que estava imaginando. Para expandir o tempo que sua câmera pode fotografar você pode comprar um intervalômetro ou instalar o Magic Lantern, que é um software livre que acrescenta muitas funções à sua máquina fotográfica. É uma pena que o Magic Lantern não esteja disponível para todas as câmeras. Os filtros de densidade neutra também podem te ajudar nesse tipo de foto. Eles servem para deixar entrar menos luz pelas lentes. Assim você consegue diminuir aquela luz extra que te atrapalhar a registrar o rastro de água mantendo a abertura ideal de f.8.

Enfim! É um tipo de fotografia muito legal de fazer. E quem se importa se é clichê? Não me interessa que muitas pessoas já tenham feito fotos assim, eu quero ter as minhas fotos. Depois que já tiver todas as fotos “clichês” (mas maravilhosas) dedico um tempo para inventar alguma coisa nova na fotografia.